Programação

Fortaleza recebe pela primeira vez o VII Simpósio Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância

Evento reunirá gestores e lideranças públicas, além de pesquisadores e especialistas,
para debater como políticas municipais podem contribuir para promoção do
desenvolvimento da criança até os seis anos

 

São Paulo, 28 de agosto de 2017 – No dia 7 de novembro, a cidade de Fortaleza, no Ceará, receberá pela primeira vez o Simpósio Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância, que chega a sua sétima ediçãocom o tema Práticas efetivas para uma política integrada”. O tema deste ano busca trazer, pelo olhar dos palestrantes e da contribuição da plateia, um debate sobre o desenho de políticas públicas em que o indivíduo vem em primeiro lugar.

 

“O objetivo do Simpósio é fomentar a discussão de como colocar as crianças e famílias no centro das políticas públicas para desenvolvimento infantil e como potencializar uma gestão integrada entre diversas secretarias”, explica o gerente de Conhecimento Aplicado da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, Eduardo Marino. Os palestrantes convidados trarão suas pesquisas, experiências e visões a partir dessa proposta. Entre eles, o pediatra Daniel Becker, professor do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ, falará sobre A criança como valor para a sociedade, enquanto Claudia Costin, diretora-presidente do Centro de Excelência e Inovação em Políticas educacionais da FGV-RJ, trará o tema Os Desafios e oportunidades na implementação da Base Nacional Comum Curricular (confira a programação completa abaixo).

 

Realizado, neste ano, em parceria com o Governo do Estado do Ceará e Prefeitura de Fortaleza, o Simpósio Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância, é organizado pelo Núcleo Ciência Pela Infância (NCPI) – uma iniciativa colaborativa formada pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, Center on the Developing Child da Universidade de Harvard (CDC), Insper, David Rockefeller Center for Latin American Studies da Universidade de Harvard (DRCLAS), Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e Hospital Infantil Sabará. É a segunda vez que uma cidade do nordeste recebe o evento, que no ano passado foi sediado em Recife (PE).

 

O evento é destinado a gestores e lideranças públicas das áreas de educação, saúde, assistência social, planejamento, cultura e quaisquer outras que tratem de políticas para crianças na primeira infância.

 

As vagas são limitadas. As inscrições estarão disponíveis pelo sitehttp://simposio.ncpi.org, entre 1º de setembro e 11 de outubro de 2017 ou até todas as serem vagas preenchidas.

 

Prefeituras, universidades e organizações do terceiro setor de todo o país poderão se inscrever para transmitirem ao vivo todo o conteúdo do VII Simpósio Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância.

 

Os cadastros para a transmissão no formato de Simpósios Satélites são gratuitos e poderão ser feitos no site http://simposio.ncpi.org a partir de 14 de agosto.

 

Serviço

Data:7 de novembro de 2017

Horário: 8h às 18h

Local: Centro de Eventos do Ceará – Fortaleza – CE

Site para Inscrição: http://simposio.ncpi.org.br 

 

Programação:

 

9h15

A criança como valor para a sociedade

Palestrante: Daniel Becker, Professor na IESC/UFRJ e colaborador do UNICEF e da OMS.

 

10h

Desenhando políticas onde o indivíduo vem em primeiro lugar

Palestrante: Luciana Aguiar – especialista em negócios inclusivos e gerente de parcerias do setor privado do PNUD.

 

11h

A família e a criança no centro das políticas públicas e programas

Palestrantes: Ana Lima – diretora da Conhecimento Social e Márcia Machado – Pró-Reitora de extensão da Universidade Federal do Ceará.

 

13h30

Lançamento do Guia de Comunicação sobre a Primeira Infância

 

14h15

Desafios e oportunidades na implementação da Base Nacional Comum Curricular

Palestrantes: Claudia Costin – diretora-presidente do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (CEIPE) da FGV-Rio e ex-secretária da educação do RJ

 

16h15

Liderança para o impacto coletivo

Palestrante: a confirmar

Anúncios
Literatura

Rocco lança Os Romanov – o Fim da Dinastia

Autor de Catarina, a Grande narra os momentos finais da família imperial russa e os desdobramentos do massacre que pôs fim a uma era

 

Às vésperas do centenário da Revolução Russa, em 7 de novembro, efeméride que vem sendo lembrada e debatida ao longo de todo este ano de 2017, a Roccomanda para as livrarias, em outubro, Os Romanov – O fim da dinastia, que se debruça sobre os momentos finais da família imperial russa. Escrito à maneira de uma história de detetives por Robert K. Massie, historiador e ganhador do Prêmio Pulitzer de literatura, autor dos sucessos Catarina, a Grande, e Nicolau e Alexandra, o livro recria o sinistro massacre que pôs fim à vida do último czar e de seus familiares e relata em detalhes as dissimilações de Lênin e de seus comparsas e as tentativas para descobrir a verdade na Rússia pós-comunista, especialmente após a exumação, em 1991, de nove esqueletos de uma cova rasa na Sibéria, próximo ao porão onde os 11 membros da família Romanov foram assassinados 73 anos antes.

Além de reconstituir os últimos momentos do czar e de sua família com riqueza de detalhes, precisão histórica e narrativa envolvente, o livro mostra o papel fundamental de cientistas, investigadores forenses, políticos e outras figuras importantes, entre russos, europeus e americanos, na descoberta da verdade por trás da morte dos Romanov, e responde a uma série de perguntas que cercam esse evento trágico e memorável. Para marcar o lançamento, a editora promove um debate com os historiadores Marcelo Fernandes e Daniel Aarão Reis e o editor Pedro Vasquez, no dia 31 de outubro, às 19h, na Livraria da Travessa do Shopping Leblon, no Rio de Janeiro.

Completam o catálogo da Rocco relacionado à Revolução Russa, além do lançamento de Os Romanov – O fim da dinastia, as premiadas biografias Catarina, a Grande e Nicolau e Alexandra, também do autor Robert K. Massie; e o aclamado O ruído do tempo, uma biografia romanceada do compositor russo Dmitri Shostakovitch, um dos grandes nomes da música do século XX, que viveu assombrado pela opressora engrenagem do poder soviético.

 

Lançamento OS ROMANOV – O FIM DA DINASTIA

Bate-papo com Marcelo Fernandes, Daniel Aarão Reis e Pedro Vasquez

31 de outubro, 19h, Livraria da Travessa Shopping Leblon

 

Serviço:

Título: Os Romanov – O fim da dinastia

Autor: Robert K. Massie

Tradução: Ângela Lobo de Andrade

Páginas: 280

Preço: R$ 39,90

Programação

Cineclube gratuito da Vila das Artes homenageia 100 anos do cinema de animação

Em outubro, a Escola Pública de Audiovisual da Vila das Artes homenageia os 100 anos do cinema de animação com a realização do cineclube Telas Abertas “Mostra Brasil – Japão: 100 anos de cinema de animação” , que ainda contará com debates especiais sobre a temática em todas as sessões. Os filmes serão exibidos às quartas-feiras, com entrada gratuita. A Vila das Artes é um equipamento da Prefeitura de Fortaleza.

Com curadoria de Kamila Medeiros, Roberta Barroso e Raul Ferreira, a mostra pretende dar luz a duas expressões culturais semelhantes, nascidas em uma mesma época, porém, separadas por continentes distintos. Segundo a curadoria, “tanto o anime como a animação brasileira estão comemorando o centenário. Há cem anos, fora realizado o primeiro filme animado no Japão, hoje em dia, perdido por conta de um terremoto. E também há cem anos, foi feito o primeiro filme de desenho animado brasileiro”.

O objetivo principal dos debates que irão ocorrer sempre após as sessões é “falar da narrativa e dos métodos desse trabalho minucioso e paciente que é animar e toda a sua variedade de técnicas que foram reunidas durante o mês de comemoração da animação”, pontua a curadoria.

O cineclube Telas Abertas acontece sempre às quartas-feiras, às 18h30, no auditório. A programação é aberta ao público.
Vila das Artes
Telas Abertas (Cineclube gratuito)
“Mostra Brasil – Japão: 100 anos de animação”

Quando: quarta-feira (04/10) às 18h30
Programação: “Luz, anima, ação”(2013), direção de Eduardo Calvet /documentário / Livre
[Debate com a cineasta, gestora cultural, produtora e roteirista Mariana Medina]

Quando: quarta-feira (11/10) às 18h30
Programação: “A viagem de Chihiro” (2001), direção de Hayao Miyazaki / Livre
[Debate com a cineasta, colorista e dubladora Mariana Lage]

Quando: quarta-feira (18/10) às 18h30
Programação: Curtas brasileiros – 12 anos: ( “Campo branco”/ “Vida Maria”/ “Guida”/
“Animais”/ “VIDA”/ “ Faroeste: Um Autêntico Western”/ “Castelos de vento”/ “Passo”/ “Até a China”)
[Debate com o técnico em cinema de animação e gestor da Casa Amarela Euselio Oliveira, Gustavo Belo]

Quando: quarta-feira (25/10) às 18h30
Programação: “Princesa Mononoke” (1999), direção de Hayao Miyazaki / Livre
[Debate com o diretor ilustrador e animador cinematográfico, Levi Magalhães]

Literatura

Se Eu Fechar os Olhos Agora e acompanhar toda obra literária de Edney Silvestre

Curiosamente as últimas leituras que fiz neste ano  praticamente todas contam histórias de meninos vivendo em um mundo de aventuras e descobertas. Foi assim com o clássico Os Meninos da Rua Paulo, O Rei Branco  e O Azarão.  Seguindo, involuntariamente, este ritmo  me deparei com essa eletrizante história contada pelo jornalista e escritor Edney Silvestre, que conta, sob o olhar dos pré-adolescentes Eduardo e Paulo,  um pouco dos momentos mais marcantes da história do Brasil e do mundo.

Ambientado no início da década de 1960, um pouco antes do golpe militar e após a Era Vargas, o romance vencedor do Prêmio Jabuti de 2010, conta as aventuras dos dois garotos em busca de desvendar um crime brutal cometido contra uma bela moça ali pelo interior fluminense. Cheio de reviravoltas e diálogos primorosas, Se Eu Fechar os Olhos Agora é leitura essencial para quem, como eu, gosta de uma história bem montada, que te deixa sem fôlego do início ao fim.

Por causa do Edney e sua história, voltarei a dar mais uma chance ao O Pintassilgo, de Donna Tartt, já que a história segue o mesmo compasso. Aliás, correr atrás de outros trabalhos do Silvestre é, a partir de agora, lei.

 

Descrição:

Numa pequena cidade da antiga zona do café fluminense, em abril de 1961, dois meninos de 12 anos encontram o corpo de uma linda mulher, que foi morta e mutilada, às margens de um lago onde vão fazer gazeta.

Eles não aceitam a explicação oficial do crime, segundo a qual o culpado seria o marido, o dentista da cidadezinha, motivado por ciúme. Começam uma investigação ajudados por um velho que mora no asilo da cidade, um ex-preso político da ditadura Vargas. Para os meninos, um terrível caminho de amadurecimento e chegada à vida adulta.

Literatura

Valter Hugo Mãe e o desejo da paternidade em O Filho de Mil Homens

Já se falou tudo e mais um pouco sobre a obra de Valter Hugo Mãe, e após a leitura de O Filho de Mil Homens você chega a conclusão de que muito do que se disse é verdadeiro.  Acompanhei o autor em sua passagem pela Bienal do Livro do Ceará, em abril passado, e dentre os tantos títulos que adquiri, claro, estava lá o primo português.

Em O Filho de Mil Homens, o pescador Crisóstomo, aos 40 anos, tem o desejo grande de ser pai, e realiza o sonho ao conhecer o órgão Camilo. Outras personagens vão surgindo ao redor dos dois na construção de uma família totalmente incomum, cada uma com um drama mais intenso que o outro.

Difícil não se identificar e se compadecer com aquelas pessoas, tão reais e presentes que você sente a dor delas, o cheiro delas, sente elas. Algo semelhante senti apenas com o clássico A Casa dos Espíritos, da genial Isabel Allende.  Solidão, preconceitos, vontades reprimidas, amor e compaixão. Nada mais humano e real do que a literatura de Mãe.

Já adquiri outras duas obras do escritor português, que serão devoradas em breve.

Descrição:

O filho de mil homens narra a história do pescador Crisóstomo, “um homem que chegou aos quarenta anos e assumiu a tristeza de não ter tido um filho”. Com vontade imensa de ser pai, o protagonista conhece o órfão Camilo, que um dia aparece em sua traineira.

Ao redor dos dois, outros personagens testemunham a invenção e construção de uma família em vinte capítulos, escritos com rara delicadeza. Mãe, ao falar de uma aldeia rural e dos sonhos anulados de quem vive nela, atravessa temas como solidão, preconceitos, vontades reprimidas, amor e compaixão.

Literatura

História da Sua Vida e Outros Contos para sair da mesmice

Para ser bem sucinto com esta obra de Ted Chiang (já que todo mundo disse tudo e um pouco sobre) basta dizer que ele, de cara causa muita estranheza em sua escrita, não somente porque a literatura é ficção científica, que por si requer mais cuidado e atenção do leitor, mas também porque esteticamente há uma tentativa de escrever de forma a causar estranheza ou forçar sua mente a pensar um pouquinho para além da caixinha.

História da Sua Vida e Outros Contos é um conjunto de oito contos que o autor escreveu nos últimos 25 anos, o que torna sua obra mais interessante, principalmente aos hoje fãs de  Black Mirror, O Círculo (do  Dave Eggers) e outros trabalhos mais recentes.

Apesar de muito premiados ao longo das últimas duas décadas, nem todos os contos agradam de cara e alguns se destacam, de longe, dos demais.

A Torre da Babilônia, Entenda, História da sua Vida, O Inferno é a Ausência de Deus, Gostando do que vê: um Documentário são dos mais instigantes contos apresentados no livro, pois misturam religiosidade, ficção, física, super inteligência, modos e costumes de uma época que ainda não veio dentre outros temas que a sociedade em algum momento viveu ou irá viver.

A cada título meia hora de introspecção. Creio que por isso Chiang tem sido tão idolatrado nos últimos anos, mais agora após o sucesso de crítica do filme #Arrival (A Chegada), inspirado no conto A História da Sua Vida. Merece uma olhadinha de leve.

Descrição:

Uma das principais vozes da ficção científica contemporânea pela primeira vez publicada no Brasil.  Um dos autores de mais destaque no cenário da ficção científica, Ted Chiang pode ser descrito como um escritor pouco prolífico: tem apenas quinze trabalhos publicados, entre contos e novelas curtas.

A pequena produção contrasta com sua expressiva quantidade de premiações: os oito textos reunidos em História da sua vida e outros contos ganharam no total nove importantes prêmios, dentre eles Nebula, Hugo, Locus, Sturgeon, Sidewise e Seiun.
Publicadas originalmente em volumes diversos, as narrativas de Ted Chiang estão pela primeira vez reunidas em uma coletânea.

Entre as histórias dotadas de rigor científico, humanidade e lirismo estão “A torre da Babilônia”, na qual um minerador sobe a famosa torre com a missão de escavar a abóbada celeste; “Divisão por zero”, uma reflexão precisa e devastadora sobre o fim da esperança e do amor, e “História da sua vida”, na qual uma linguista aprende um idioma alienígena que modifica sua visão de mundo.

Literatura

Harari e a grande jornada sobre nós

Fiquei tão impressionado com Sapiens, do Yuval Noah Harari, que de pronto emendei com Homo Deus, livro que tenta dar seguimento à jornada do HOMO sapiens em busca da vida eterna.

Enquanto que o primeiro, de fato, é instigante do início ao fim. Harari tenta responder a questionamentos centenários. Por exemplo: o que aconteceu após o encontro dos sapiens com os neandertais? Talvez a primeira grande limpeza étnica da história. Por que os fortes laços sociais são tão importantes para os humanos? Talvez porque para sobrevivermos necessitamos da ajuda de toda uma comunidade.

Qual a religião que mais prosperou no mundo? O Capitalismo? Se nossa linguagem se desenvolveu através da fofoca, então somos antes de mais nada seres sociais.

Revolução Cognitiva, Agrícola e Científica são apenas alguns dos grande temas tratados por ele de uma maneira simples e direta, que faz com que a leitura transcorra de forma natural, sem cansar.

Em Homo Deus, o otimista Harari se revela como alguém que acredita na possibilidade de aumentarmos nossa capacidade de existência, ainda que ateste que a imortalidade ainda está um pouco distante de ser alcançada. No mundo em que vivemos morre-se mais de obesidade do que de fome.

Há mais suicídios do que assassinatos. No entanto, nossa posição como seres dominantes tem permitido praticarmos das mais variadas barbaridades com outras espécies.  Harari também nos apresenta a chamada revolução humanista na política (eleitor tem razão), na economia (o cliente tem sempre razão), na estética (a beleza está nos olhos de quem vê), na ética (se é bom pra você. ..) e na educação (pense por si mesmo).

No entanto, mais uma vez, Harari tende a acreditar que o humanismo liberal se sobreponha ao humanismo socialista ou ao que ele denomina de “humanismo evolutivo”, que tem como principais representantes os nazistas.

Homo Deus repete muito do que foi dito em Sapiens e parece que não brilha tanto quanto a primeira obra de Harari. Mas ainda assim é um ótimo estudo para reflexão científica, histórica e filosófica da espécie humana e seu futuro.

 

Descrição:

  • Homo Deus – Neste “Homo Deus”: uma breve história do amanhã, Yuval Noah Harari, autor do estrondoso best-seller Sapiens: uma breve história da humanidade, volta a combinar ciência, história e filosofia, desta vez para entender quem somos e descobrir para onde vamos. Sempre com um olhar no passado e nas nossas origens, Harari investiga o futuro da humanidade em busca de uma resposta tão difícil quanto essencial: depois de séculos de guerras, fome e pobreza, qual será nosso destino na Terra?

A partir de uma visão absolutamente original de nossa história, ele combina pesquisas de ponta e os mais recentes avanços científicos à sua conhecida capacidade de observar o passado de uma maneira inteiramente nova. Assim, descobrir os próximos passos da evolução humana será também redescobrir quem fomos e quais caminhos tomamos para chegar até aqui.

  • Sapiens –  autor repassa a história da humanidade, ou do homo sapiens, desde o surgimento da espécie durante a pré-história até o presente, mas em vez de apenas “inventariar” os fatos históricos ele os relaciona com questões do presente e os questiona de maneira surpreendente.

Além disso, para cada fato ou crença que temos como certa hoje em dia, o autor apresenta as diversas interpretações existentes a partir de diferentes pontos de vista, inclusive as muito atuais, e vai além, sugerindo interpretações muitas vezes desconcertantes. Yuval Noah Harari é professor do departamento de história da Universidade Hebraica de Jerusalém. É especialista em história mundial, medieval e militar.