Programação

Broadway Brasil realiza terceira edição na Caixa Cultural, em Fortaleza

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 17 a 23 de abril de 2017, a terceira edição do projeto Broadway Brasil – O show não pode parar. Cerca de 60 pessoas foram selecionadas para participarem de oficinas e masterclasses coordenadas por alguns dos melhores profissionais de teatro musical da atualidade, além de terem a oportunidade de se apresentarem no Cabaret Show.

Com as primeiras edições realizadas em 2013 e 2016, o projeto é dedicado aos atores e cantores de todo o Brasil que queiram aprimorar seus conhecimentos, neste momento em que o País se consolida como o terceiro maior produtor de teatro musical no mundo. O grande desafio é que os participantes selecionados consigam montar, em apenas cinco dias, os números musicais que irão compor o espetáculo musical Cabaret Show, a ser realizado nos últimos dias da programação.

“Buscamos incentivar o crescimento profissional de diversos artistas e, assim, estarem aptos para adentrar no gênero de musicais”, afirma Allan Deberton, produtor executivo. “Queremos continuar o desenvolvimento de talentos locais e nacionais proporcionando de forma gratuita capacitação com profissionais de ponta do entretenimento nacional e internacional”, completa André Gress, diretor artístico do projeto.

Durante uma semana, os participantes terão acesso a seis masterclasses, um bate-papo, oficinas de montagem e três apresentações do espetáculo Cabaret Show. As masterclassses e o bate-papo são abertos ao público para participação como ouvintes, com lotação a depender da capacidade do espaço.

Uma das grandes e importantes marcas da realização do evento é a parceria junto à organização americana Broadway Dreams Foundation (BDF), que traz toda sua expertise em treinamento de jovens artistas e repetindo o trabalho realizado na edição de 2016. “Nosso Estado tem um catálogo substancial de literatura ou produção acadêmica. A crise tem afetado o mercado editorial brasileiro, e no Ceará não tem sido diferente”, ressaltou o secretário.Bro

Lançamentos · Programação

Mostra New Queer Cinema chega a Fortaleza

unnamed

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 11 a 23 de agosto, a mostra de cinema New Queer Cinema (NQC) – Cinema, Sexualidade e Política. Os 27 filmes exibidos de língua inglesa abordam formas alternativas de sexualidade, além de quatro títulos nacionais lançados entre 2013 e 2014. Ao todo, 14 longas, quatro médias e nove curtas.

Filmes cearenses também integram a programação, como os longas Doce Amianto e O Animal Sonhado – esse último será exibido na pré-estreia do evento, no dia 11 de agosto (terça-feira), às 20h, com a presença dos diretores. Além de Fortaleza, a mostra já passou pelo Rio de Janeiro (junho), e também deve circular por Salvador, São Paulo e Curitiba.

A mostra pretende apresentar ao público a produção do New Queer Cinema, um movimento de cineastas norte-americanos e britânicos que, na virada dos anos 1980 para os anos 1990, realizaram filmes de uma maneira política e ousada, que desafiavam normas politicamente corretas com as quais Hollywood e a televisão norte-americana passavam a tratar a homossexualidade.

Os artistas respondiam a falta de ações do governo e da sociedade durante a crise da AIDS criando filmes desafiadores que até hoje mantêm uma influência decisiva no cinema contemporâneo, incluindo nesse contexto o brasileiro.

Debates: Com curadoria de Denilson Lopes e Mateus Nagime, a mostra NQC também promove dois debates: dia 13 (quinta-feira), Um novo cinema queer brasileiro? e, dia 20, Performance e História. Além dos curadores, compõem as mesas o pesquisador André Antônio e o realizador Uirá dos Reis; e o pesquisador Chico Lacerda e o artista/pesquisador Pablo Assumpção, respectivamente.

“O objetivo da mostra é reavaliar esse intervalo de 25 anos, a relevância e o impacto do New Queer Cinema e o que ele representa na sociedade contemporânea, com novos debates e questões. Alguns filmes raros – especialmente curtas seminais da época – não tiveram sessões públicas no país. Também propomos pensar o que significa os poucos representados filmes queer brasileiros contemporâneos”, explica Nagime.

Durante a mostra, será lançado um livro-catálogo sobre o tema e seus antecedentes cinematográficos, políticos e acadêmicos. O material impresso contemplará traduções de textos relevantes sobre o NQC, fotos, sinopses e fichas técnicas dos filmes selecionados pela mostra, além de artigos inéditos de pesquisadores, críticos e artistas que trabalham com questões relacionadas a cinema e sexualidade.

“Rever os filmes é pensar como a questão das dissidências sexuais pode se colocar além das hetero e homonormatividades, ou seja, para além de padrões aceitáveis de sexualidades e afetos, tanto entre heterossexuais quanto homossexuais. Este é um momento particularmente especial em que a produção cinematográfica brasileira – especialmente por meio de uma nova geração – parece estar mais sensível a essa discussão, bem como a necessidade de criar pontes de diálogo ou acentuar os confrontos de forma criativa”, complementa Denilson Lopes.

O cearense O Animal Sonhado está entre os filmes que serão exibidos na Mostra.
O cearense O Animal Sonhado está entre os filmes que serão exibidos na Mostra.

 

Programação Fortaleza

 

Terça, 11/08

20h – Abertura

O Animal Sonhado (2015, 79min) de Breno Baptista, Luciana Vieira, Rodrigo Fernandes, Samuel Brasileiro, Ticiana Augusto Lima e Victor Costa Lopes

Classificação indicativa: 18 anos

*Com a presença dos diretores

 

Quarta, 12/08

16h

Urinal / Pissoir (1989, 100m) de John Greyson

Classificação indicativa: 18 anos

 

18h

Doctors, Liars & Woman / Doctors, Liars & Woman: Aids Activists Say No To Cosmo (1988, 23min) de Jean Carlomusto, Maria Maggenti

The Making of Monsters (1991, 35min) de John Greyson

Classificação indicativa: 12 anos

 

20h

Tatuagem (2013, 110min) de Hilton Lacerda

Classificação indicativa: 16 anos

 

Quinta, 13/08

16h

It’s a Sin (1987, 5min) de Derek Jarman

Eduardo II / Edward II (1991, 87 min) de Derek Jarman

Classificação indicativa: 16 anos

 

18h

The Dead Boys’ Club (1992, 26min) de Mark Christopher

Doce Amianto (2013, 70min) de Guto Parente, Uirá dos Reis

Classificação indicativa: 16 anos

 

20h

Debate 1

Um Novo Cinema Queer Brasileiro?

Mediação: Mateus Nagime

André Antonio (pesquisador)

Uirá dos Reis (realizador)

 

Sexta, 14/08

16h

Tongues Untied (1989, 55min) de Marlon Riggs

Seams (1993, 29min) de Karim Ainouz

Classificação indicativa: 14 anos

 

18h

The Queen is Dead (1986, 13min) de Derek Jarman

Batguano (2014, 74min) de Tavinho Teixeira

Classificação indicativa: 18 anos

 

20h

The Living End / The Living End (1992, 92min) de Gregg Araki

Classificação indicativa: 18 anos

 

Sábado, 15/08

16h

Fast Trip, Long Drop (1994, 54min) de Gregg Bordowitz

Looking for Langston (1989, 45min) de Isaac Julien

Classificação indicativa: 14 anos

 

18h

Estudo em Vermelho (2013, 16min) de Chico Lacerda

Veneno / Poison (1991, 85min) de Todd Haynes

Classificação indicativa: 16 anos

 

20h

Nation (1992, 1min) de Tom Kalin

Swoon – Colapso do Desejo / Swoon (1992, 93min) de Tom Kalin

Classificação indicativa: 18 anos

 

Domingo, 16/08

15h

The Watermelon Woman (1991, 90min) de Cheryl Dunye

Classificação indicativa: 12 anos

 

17h

Paciência Zero / Zero Patience (1993, 97min) de John Greyson

Classificação indicativa: 14 anos

 

19h

Young Soul Rebels (1991, 105min) de Isaac Julien

Classificação indicativa: 16 anos

 

Terça, 18/08

16h

Garotos de Programa / My Own Private Idaho (1991, 104 min) de Gus Van Sant

Classificação indicativa: 18 anos

 

18h

Urinal / Pissoir (1989, 100m) de John Greyson

Classificação indicativa: 18 anos

 

20h

Tatuagem (2013, 110min) de Hilton Lacerda

Classificação indicativa: 16 anos

 

Quarta, 19/08

16h

Doctors, Liars & Woman / Doctors, Liars & Woman: Aids Activists Say No To Cosmo (1988, 23min) de Jean Carlomusto, Maria Maggenti

The Making of Monsters (1991, 35min) de John Greyson

Classificação indicativa: 12 anos

 

18h

The Dead Boys’ Club (1992, 26min) de Mark Christopher

Doce Amianto (2013, 70min) de Guto Parente, Uirá dos Reis

Classificação indicativa: 16 anos

 

20h

It’s a Sin (1987, 5min) de Derek Jarman

Eduardo II / Edward II (1991, 87 min) de Derek Jarman

Classificação indicativa: 16 anos

 

Quinta, 20/08

16h

Estudo em Vermelho (2013, 16min) de Chico Lacerda

Veneno / Poison (1991, 85min) de Todd Haynes

Classificação indicativa: 16 anos

 

18h

Nation (1992, 1min) de Tom Kalin

Swoon – Colapso do Desejo / Swoon (1992, 93min) de Tom Kalin

Classificação indicativa: 18 anos

 

20h

Debate 2

Performance e História

Mediação: Denilson Lopes

Chico Lacerda (pesquisador)

Pablo Assumpção (artista e pesquisador)

 

 

Sexta, 21/08

16h

The Living End / The Living End (1992, 92min) de Gregg Araki

Classificação indicativa: 18 anos

 

18h

The Watermelon Woman (1991, 90min) de Cheryl Dunye

Classificação indicativa: 12 anos

 

20h

The Queen is Dead (1986, 13min) de Derek Jarman

Batguano (2014, 74min) de Tavinho Teixeira

Classificação indicativa: 18 anos

 

Sábado, 22/08

16h

Tongues Untied (1989, 55min) de Marlon Riggs

Seams (1993, 29min) de Karim Ainouz

Classificação indicativa: 14 anos

 

18h

Fast Trip, Long Drop (1994, 54min) de Gregg Bordowitz

Looking for Langston (1989, 45min) de Isaac Julien

Classificação indicativa: 14 anos

 

20h

Na Sua Companhia (2012, 22min) de Marcelo Caetano

No Skin Off My Ass (1991, 73 min) de Bruce LaBruce

Classificação indicativa: 18 anos

 

Domingo, 23/08

15h

Paciência Zero / Zero Patience (1993, 97min) de John Greyson

Classificação indicativa: 14 anos

 

17h

Young Soul Rebels (1991, 105min) de Isaac Julien

Classificação indicativa: 16 anos

 

19h

This is Not an AIDS Advertisement (1987, 14min) de Isaac Julien

O Animal Sonhado (2015, 79min) de Breno Baptista, Luciana Vieira, Rodrigo Fernandes, Samuel Brasileiro, Ticiana Augusto Lima, Victor Costa Lopes

Classificação indicativa: 18 anos

 

Serviço

Cinema New Queer Cinema – Cinema, Sexualidade e Política

Local: CAIXA Cultural Fortaleza Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema Data: 11 a 23 de agosto de 2015

Abertura: 11 de agosto de 2015, às 19h (coquetel com presença dos diretores ao final do filme)

Entrada: R$ 4,00 (inteira) e R$2,00 (meia) Vendas uma hora antes de cada sessão

Música · Programação

Mile Davis e Dave Brubeck são homenageados no Dragão

51UVX5HKIiL

Um novo projeto musical, reunindo virtuosos instrumentistas cearenses recriando no palco obras-primas da história do jazz. É o “Ceará Jazz Series”, projeto que leva ao Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura shows com a íntegra do repertório de álbuns clássicos do jazz, reinterpretados por alguns dos mais consagrados e aplaudidos nomes da cena musical cearense. Com apoio da produtora Quitanda das Artes, do Centro Dragão do Mar e da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), o Ceará Jazz Series estreia com dois shows neste mês de agosto, em duas sextas-feiras, sempre às 20h: dia 14 o público vai conferir a recriação do disco “Kind of Blue”, de Miles Davis, trompetista responsável por várias revoluções na história do jazz; dia 21 será a vez de apreciar a íntegra do repertório de “Time Out”, de Dave Brubeck, álbum referencial pelas experimentações rítmicas em compassos compostos.

Em cada show será apresentado o repertório completo de cada disco, recriando os álbuns originalmente lançados em 1959. As apresentações contam com uma escalação de craques do primeiríssimo time da cena instrumental cearense, referência nacional pela excelência em vários naipes, das cordas aos metais, do piano à bateria, dos compositores aos arranjadores. Os shows, que acontecem nos dias 14 e 21, no Teatro do Centro Dragão do Mar, serão precedidos de um bate-papo, às 18h, no próprio teatro, com entrada franca, em que os músicos falarão sobre como foi o trabalho de preparação da apresentação, sobre as características do disco homenageado, o desenvolvimento dos arranjos para o show, além de responder a perguntas do público. Uma atividade que reforça a característica de formação, mais um diferencial do projeto “Ceará Jazz Series”, e reforça o convite para o espetáculo que começa às 20h.

Na sexta-feira, 14/8, o show “Kind of Blue” contará com o trompetista Hugo D´Leon, os saxofonistas Márcio Resende e Ferreira Júnior, o pianista Thiago Almeida, o contrabaixista Luciano Franco e o baterista Denilson Lopes, reproduzindo a mesma formação de sexteto presente no disco, que ficou marcado pelos temas modais e que destacou “So what” e “Blue in green” como algumas das composições mais revisitadas no repertório jazzístico em todos os tempos.

MI0001684632

Arregimentados especialmente para o show, Hugo D´Leon, Márcio Resende, Ferreira Júnior, Thiago Almeida, Luciano Franco e Denilson Lopes, sempre entre os nomes mais requisitados para estúdios e palcos de Fortaleza e todos autores de trabalhos próprios de composição, arranjo e performance, aceitaram o desafio de revisitar a sonoridade de “Kind of Blue”, reinterpretando-a e transpondo-a para o show. Conforme define o contrabaixista Luciano Franco, trata-se de uma releitura, partindo do repertório, dos conceitos, timbres e sutilezas presentes no disco original para propor uma nova interpretação.

Na sexta-feira seguinte, 21/8, também às 20h, será apresentado o show “Time Out – Tributo a Dave Brubeck”, com a íntegra do repertório do clássico disco em que o quarteto liderado pelo legendário pianista norte-americano fez história ao explorar de modo ousado e inovador ritmos diferenciados e compassos “quebrados”, naquele que viria a ser um dos trabalhos referenciais para toda a trajetória do jazz. Também haverá o bate-papo às 18h, com entrada franca.

No show, o pianista será homenageado pelos experientes e virtuosos Márcio Resende (saxofone), Tito Freitas (piano) e David Krebs (bateria), além dos jovens – e extremamente talentosos – Hermano Faltz (guitarra) e Iury Batista (contrabaixo). O show percorrerá temas do clássico disco lançado pelo quarteto de Dave Brubeck em 1959, que se tornou um álbum referencial para a história do jazz, tanto por seu caráter progressivo e de vanguarda – explorando tempos quebrados, compassos compostos, uma variedade de ritmos desafiadores, levando ao extremo a habilidade dos músicos – quanto pela sua ampla aceitação pela crítica e pelo público, que consagrou a faixa “Take five”, do saxofonista Paul Desmond, como um enorme êxito comercial. Um “hit” radiofônico nascido do jazz.

Aclamado saxofonista e flautista, Márcio Resende, de formação jazzística no New England Conservatory e no Berklee College of Music, nos EUA, convida o público para vivenciar a energia, a inteligência e a sensibilidade da música de Brubeck. “O show é uma homenagem à musicalidade do quarteto do Dave Brubeck nesse disco. É um grande desafio reproduzir no palco a música do ‘Time Out’. Será um show muito especial para nós e também para o público”, afirma o saxofonista, celebrando a oportunidade de reapresentar o show, desta vez para o público de Fortaleza.

O público poderá conferir toda a beleza e a emblemática combinação de melodia e ritmo, simplicidade e complexidade de temas como “Blue rondo a la turk”, “Kathy´s waltz” e “Strange meadow lark”, além do clássico “Take five”. Uma oportunidade ímpar de apreciar ao vivo a genialidade que Brubeck e quarteto concretizaram no álbum “Time Out”, através de alguns dos melhores instrumentistas atuantes no Ceará.

SERVIÇO:

Projeto “Ceará Jazz Series”. Apoio: Quitanda das Artes, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, Secretaria da Cultura do Estado do Ceará.

– Show “Kind of Blue – Tributo a Miles Davis”. Sexta-feira, 14/8. Bate-papo às 18h. Show às 20h, no Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Com Hugo D´Leon (trompete), Márcio Resende (saxofone tenor), Ferreira Júnior (saxofone alto), Thiago Almeida (teclado), Luciano Franco (contrabaixo) e Denilson Lopes (bateria). Ingressos: R$ 15,00 (meia R$ 7,50).

– Show “Time Out – Tributo a Dave Brubeck”.  Sexta-feira, 21/8. Bate-papo às 18h. Show às 20h, no Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Com Márcio Resende (saxofone), Tito Freitas (teclado), Iury Batista (baixo), Hermano Faltz (guitarra) e David Krebs (bateria). Ingressos: R$ 15,00 (meia R$ 7,50).

Programação

Exposição “Soixante-Dix” de Juarez Machado segue em Fortaleza até dia 23 de agosto

Capital cearense é a primeira parada nacional da mostra do artista plástico catarinense, que fica em cartaz até 23 de agosto, na Caixa Cultural Fortaleza

Juarez Soixante Dix La Fete

atualizado as 22:45

Permanece em cartaz na Caixa Cultural de Fortaleza até o dia  23 de agosto a exposição na qual o artista é a própria obra. Soixante-Dix reúne 41 peças, entre óleos, desenhos, esculturas e trajes do artista plástico catarinense Juarez Machado, reconhecido tanto pelo talento quanto pelo personagem irreverente que ele adora encarnar.

Depois de passar por Paris, Florianópolis e Joinville, a mostra será exibida em outras três capitais brasileiras até o final deste ano, começando por Fortaleza, cidade que nunca havia recebido trabalhos de Juarez, um dos maiores artistas plásticos brasileiros de expressão internacional.

Soixante-Dix, que em francês significa 70, é a idade que Juarez Machado completou em 2011. Algumas das obras são auto-retratos em que ele é o único elemento colorido da tela, destacando-se do fundo escuro ou em preto ebranco. “Sabemos que o universo começou das trevas, em preto e branco, e o jornal, a fotografia, o cinema e a TV também”, explica Juarez.

Toda a irreverência, carisma e talento do artista poderão ser conferidos nesta coleção que ele mesmo selecionou. “Pintei esta coleção de quadros para expô-los em Paris e no Brasil numa justa homenagem a mim mesmo. Um grande deboche, uma caricatura de um artista de 70 anos ou de um homem de qualquer idade. Afinal, sou humano e igual a todos”, justifica, com bom humor. Depois de Fortaleza, a exposição segue para a CAIXA Cultural Brasília. O destino final será o Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli, em Porto Alegre.

Um artista múltiplo: Com mais de 50 anos de sólida carreira, filho de João Machado, caixeiro-viajante e colecionador de objetos antigos, e Leonora Busch Machado, de origem alemã, Juarez Machado nasceu no dia 16 de março de 1941, em Joinville. Ele sempre desenhou, pintou e fez bonecos de barro e seus próprios brinquedos. Aos 14 anos, já queria viver da sua arte e foi trabalhar na gráfica de um laboratório farmacêutico, onde se imprimiam rótulos, bulas dos remédios e um almanaque publicado todos os anos.

Em 1960, aos 19 anos, Juarez mudou-se para Curitiba para estudar na Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Morava numa pensão de estudantes e, para sobreviver, à noite era desenhista e cenógrafo da televisão local. Em 1964, realizou a primeira mostra individual na Galeria Cocaco, de Curitiba, iniciando uma carreira de sucesso. Ao mesmo tempo fazia cenários para todos os teatros da cidade, desde o Guairinha, o Teatro de Bolshoi e a Reitoria do Paraná.

Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1965, onde residiu por vinte anos. Além do desenho e da pintura, fez incursões pela mímica, cenografia, programação visual, ilustração e escultura. Foi chargista dos principais jornais brasileiros e mímico no Fantástico, da TV Globo, projetando-se nacionalmente.

A partir de 1978, resolveu se dedicar apenas às artes plásticas. Internacionalizando seu trabalho, passou temporadas em Londres, Nova York e em diversas cidades europeias até decidir estabelecer residência fixa em Paris, desde 1985, sempre retornando à sua cidade natal, Joinville. Juarez mantém ateliês em Paris, Rio de Janeiro e Joinville.

Serviço:

Exposição Soixante-Dix – Juarez Machado
Local: CAIXA Cultural Fortaleza
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema
Data: 14 de julho a 23 de agosto de 2015
Horário: terça-feira a sábado, das 10h às 20h, e domingo, das 10h às 19h
Classificação indicativa: Livre
Entrada gratuita
Acesso para pessoas com deficiência

Programação

Espetáculo comemora 70 anos de Gonzaguinha

unnamed

No ano em que Gonzaguinha completaria 70 anos,  Fortaleza recebe o projeto Gonzaguinha, tudo outra vez, entre os dias 7 e 9 de agosto. Formado pelos músicos Fábio Luna, Marcelo Caldi, Edú Krieger e Fabiano Salek, o espetáculo conta, ainda, com um convidado especial: Daniel Gonzaga, filho de Gonzaguinha.

Os cinco músicos relembram clássicos do consagrado compositor, como Grito de Alerta, Explode Coração, O Que É, O Que É, Começaria Tudo Outra Vez e Comportamento Geral. São músicas que marcaram época na voz do músico carioca e filho do rei do Baião, Luiz Gonzaga, com quem teve uma relação conflituosa.

Marcelo Caldi e Fábio Luna tocam e cantam juntos há anos. Em 2009, gravaram o CD instrumental Forró e Choro Vol. I, finalista do Prêmio da Música Brasileira como melhor CD instrumental. Ambos já haviam gravado uma versão de Espere por mim morena. Caldi é pianista e sanfoneiro, profundo conhecedor da obra dos mestres da sanfona, e premiado pela Funarte por trabalho em homenagem a Gonzagão. Tocou com a Sinfônica do Recife e fez shows com Elba Ramalho, Dominguinhos e craques da MPB.

Fábio Luna é cantor e multi-instrumentista, além de atuar há quatro anos como um dos integrantes do grupo Os Cariocas. Já Edú Krieger, compositor, violonista e baixista, tem músicas gravadas por Ana Carolina, Adriana Calcanhoto, entre outras. Daniel Gonzaga é intérprete, com sete CDs gravados, sendo um – Comportamento Geral – feito em homenagem ao pai, Gonzaguinha. Fabiano Salek completa o grupo, na bateria. Juntos, eles dão nova roupagem às músicas de Gonzaguinha, encantando diferentes gerações.

Sobre Gonzaguinha: Nascido em 22 de setembro de 1945, filho do compositor e cantor Luiz Gonzaga e pai do compositor e cantor Daniel Gonzaga, Gonzaguinha aprendeu a tocar violão com o padrinho e, aos 14 anos, compôs a primeira música: Lembranças da primavera. Iniciou sua carreira artística em 1968 e, um ano depois, se uniu a Ivan Lins e Aldir Blanc, no Movimento Artístico Universitário (MAU). Participou de festivais musicais e, em 1973, lançou o primeiro disco, Luiz Gonzaga Jr, com destaque para sua composição Comportamento geral.

Em 1976, a carreira musical de Gonzaguinha deu um salto depois do lançamento do disco Começaria tudo outra vez, com a faixa-título e Espere por mim morena, além da gravação de Asa Branca (Luiz Gonzaga). Foram vários discos de sucesso e algumas composições marcantes na voz de intérpretes como Maria Bethânia. Explode Coração e A felicidade bate à sua porta são alguns exemplos. Em 1980, lançou o LP Gonzaguinha: de volta ao começo, com destaque para Ponto de interrogação, Grito de alerta e Sangrando. Finalmente, em 1982, lançou o clássico samba O Que É, O Que É. O músico faleceu em 1991, aos 46 anos.

Serviço:
Música Gonzaguinha, tudo outra vez
Local: CAIXA Cultural Fortaleza
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema
Data:  07 a 09 de agosto de 2015
Horário: sexta-feira a sábado, às 20h e, domingo, às 19h
Classificação indicativa: Livre
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) R$ 10,00 (meia)

Vendas a partir de 06/08, às 10h
Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais

Programação

Chaplin volta ao cinema

Dando continuidade às “maratonas” iniciadas em julho com Mad Max, o Cineteatro São Luiz trará em agosto os filmes de Charlie Chaplin, apresentados nos dias 6, 7 e 8, quinta, sexta e sábado, sempre às 18h, começando com “Tempos Modernos”, seguindo com “O Circo” e finalizando com “O Grande Ditador”, em uma proposta baseada na forte experiência de cinema, que exibirá em sequência de filmes de um mesmo eixo diretor.

Voltada para os amantes da sétima arte, estudiosos e antigos frequentadores do São Luiz, a sessão “Clássicos do Cinema” brinda os cinéfilos neste mês ainda com filmes como “Casablanca”, de Michael Curtiz, e “Acossado”, dirigido por Jean-Luc Godard. A Sessão Polytheama, realizada no dia 21/8, às 18h, trará o marcante “Copacabana Mon Amour”, de Rogério Sganzerla.

“Fizemos uma mudança para a programação de agosto, repetindo alguns filmes, o que facilita um pré-agendamento do público. Deste modo, quem não pode ir a uma sessão poderá conferir num segundo momento”, destaca Rachel Gadelha, diretora do Cineteatro, sobre a inovação no mês de agosto.

Também estará em cartaz no São Luiz o blockbuster “Jurassic World”, filme líder de bilheteria, dirigido por Colin Trevorrow. Para a diversão da meninada entra em exibição, já no primeiro final de semana do mês, “Os Minions”, de Chris Renaud, e ao final de agosto estreia o filme “O Pequeno Príncipe”, de 2015, dirigido por Mark Osborne. Peças de teatro infantil como “Do maior show infantil do Ano” e “Os Minions”, trazem em dois domingos, dias 9/8 e 23/8, os principais personagens dos desenhos animados voltados para as crianças, como Backyardigans, Galinha Pintadinha e Peppa Pig.

Programação Cineteatro São Luiz

06/08 (Quinta)

[CINEMA]

12h30 – Café com Curtas: O MELHOR AMIGO / LIÇÃO DE ESQUI (Acesso gratuito)

15h – Cinema do Ceará: DEFENSORXS

18h – Nossos Clássicos – CHAPLIN: FLUXOS / TEMPOS MODERNOS

07/08 (Sexta)

[CINEMA]

12h30 – Café com Curtas: NEGRO LÁ NEGRO CÁ / MEU AMIGO MINEIRO (Acesso gratuito)

15h – Em Cartaz: LAGOA REMIX / JURASSIC WORLD – O MUNDO DOS DINOSSAUROS

18h – Nossos Clássicos – CHAPLIN: FLUXOS / O CIRCO

08/08 (Sábado)

[CINEMA]

11h – Matinê: MINIONS

15h – Em Cartaz: LAGOA REMIX / JURASSIC WORLD – O MUNDO DOS DINOSSAUROS

18h – Nossos Clássicos – CHAPLIN: FLUXOS / O GRANDE DITADOR

09/08 (Domingo)

[TEATRO – INFANTIL]

16h – “OS MINIONS” (R$50 e 25)

Programação

Mona Gadelha e Casaverde revivem Massafeira Livre no TJA

A cantora Mona Gadelha se apresenta neste  domingo no foyer do Theatro José de Alencar receber, a partir das 17h, com o compositor e  pianista Francisco Casaverde. Uma excelente oportunidade de relembrar a Massafeira Livre, pois eles prometem cantar clássicos de uma época, além de músicas recentes de suas carreiras.

Parceiros musicais e amigos desde a realização do evento ocorrido em 1979, os dois trarão ao show interpretações em voz e piano, de composições próprias e de outros artistas cearenses, principalmente, da turma que ficou conhecida como O Pessoal do Ceará.

Francisco Casaverde é parceiro de Fausto Nilo, Petrúcio Maia e Belchio. Ele já foi gravado por grandes artisats da Música Popular Brasiliera (MPB), como Fagner, Simone e também Belchior.  Já Mona Gadelha é conhecida desde o fim dos anos 1970 na cena musical cearense, e faz parte de uma geração de ótimas safras do Estado. Uma apresentação imperdível.