Literatura · Programação

Ana Beatriz Brandão lança quarta obra em Fortaleza

A Garota das Sapatilhas Brancas, livro que é um dos mais vendidos no Brasil na categoria infantojuvenil, será lançado no mês de outubro

No dia 29 de outubro (domingo), a escritora Ana Beatriz Brandão irá lançar sua nova obra A Garota das Sapatilhas Brancas, pela Verus Editora, do Grupo Editorial Record, na Livraria Saraiva, do shopping Iguatemi, em Fortaleza. O evento, que começa às 16 horas, terá bate-papo com a blogueira Jordana Carneiro.

Spin-off de O Garoto do Cachecol Vermelho, que já está na quinta edição, este segundo romance da autora e quarto livro já publicado, mostra, através das lembranças de diversos personagens já conhecidos e amados pelo leitor, como decisões podem afetar o destino. E os fãs já podem preparar os lenços novamente porque a trama é cheia de emoções.

Na história, Daniel Lobos vive a vida plenamente. Dono de um coração enorme, o jovem divide seu tempo entre duas paixões: a música e as causas sociais. Até que seu caminho cruza o de Melissa, uma bailarina preconceituosa e mesquinha, que põe à prova aquilo em que ele mais acredita: que todo mundo merece uma segunda chance.

Diferentemente do que acontece em O Garoto do Cachecol Vermelho, agora os leitores irão acompanhar o outro lado da história, que é o de Daniel, portador de uma doença degenerativa sem cura, a Esclerose Lateral Amiotrófica, mais conhecida como ELA.

Vítima da mesma doença do pai, ele tenta se desviar dos familiares que tanto fazem perguntas sobre seu estado enquanto faz de tudo para arrancar sorrisos de Melissa. Quando ele propõe a ela o plano de passar dois meses juntos para que ela passe a ver a vida de forma diferente, a aproximação entre os dois se torna inevitável. Agora, nada mais será como antes.

Parte dos direitos autorais deste livro será doada para instituições ligadas à esclerose lateral amiotrófica (ELA). As doações, que contam com o apoio da Verus Editora e do Grupo Editorial Record, irão para o Instituto Paulo Gontijo e a Associação Regional de Esclerose Lateral Amiotrófica (ARELA-RS). Os leitores de O Garoto do Cachecol Vermelho também continuam contribuindo para a Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica (ABRELA).

Serviço:
Lançamento do livro A Garota das Sapatilhas Brancas
Data: 29 de outubro (domingo)
Horário: a partir das 16h
Local: Livraria Saraiva – Shopping Iguatemi Fortaleza
Endereço: Av. Washington Soares, 85 – Fortaleza

Sobre a autora: Viver em um mundo cercado de magia – esse sempre foi o sonho de Ana Beatriz Brandão. Ela descobriu que era possível tornar isso realidade através da leitura quando conheceu O Pequeno Príncipe, aos cinco anos de idade.Targaryen, potterhead, narniana, semideusa e tributo, Ana vive muitas aventuras todos os dias. Aos treze anos, descobriu que contar histórias era sua paixão e desde então escreveu diversos livros, entre eles O Garoto do Cachecol Vermelho, Sombra de um anjo e Caçadores de almas. Seu maior sonho é poder continuar contando suas histórias para todos aqueles que, como ela, acreditam que os livros são a melhor forma de tocar o coração das pessoas e mudar suas vidas.

Anúncios
Literatura

Itinerância Anima Mundo chega a Fortaleza

 

A Caixa Cultural Fortaleza apresenta, entre os dias 27 e 29 de outubro de 2017, o Circuito Itinerante Anima Mundi. Os apaixonados por filmes de animação terão a chance de participar da programação especial de um dos mais importantes festivais do mundo, que conta com exibição de curtas e uma oficina gratuita de animação para crianças e adultos na técnica Pixilation.

A versão itinerante da mostra que aportará em Fortaleza conta com uma seleção de curtas nacionais e internacionais de autores consagrados, em diversas técnicas de animação. É um amplo recorte do que foi apresentado na versão integral do Anima Mundi nos últimos anos.

Com acesso gratuito, as exibições dos curtas serão distribuídas em 7 sessões. A abertura será na sexta-feira (27/10), às 20h, com a exibição de alguns dos curtas que serão projetados nos dois dias seguintes. No sábado (28) e domingo (29) acontecem sessões às 15h, 17h e 19h, com duração em torno de uma hora cada. O público poderá conferir um panorama do que vem sendo produzido no mundo e no Brasil em termos de animação.

Oficina de Pixilation:

Além dos filmes, esta edição do festival Anima Mundi conta com oficina gratuita de animação na técnica Pixilation. Com esta técnica, os participantes criam uma história, se fantasiam e fazem poses sucessivas, fotografadas uma a uma. A idade mínima para a participação é de 6 anos. A atividade acontecerá nos dias 28 e 29, das 13h às 19h, com grupos de até cinco pessoas a cada 15 minutos. A inscrição é feita na hora, por ordem de chegada.

Programação

27/10
20h – Abertura

28/10
15h – Sessão: RETROSPECTIVA NATIONAL FILM BOARD INFANTIL
17h – Sessão: RETROSPECTIVA NATIONAL FILM BOARD (*14 ANOS)
19h – Sessão: ANIMA MUNDI 25 ANOS (*14 ANOS)

29/10
15h – Sessão: INFANTIL 2
17h – Sessão: INFANTIL 1
19h – Sessão: PREMIADOS ANIMA MUNDI 2017 (*14 ANOS)

28 e 29/10 – Oficina de animação (Pixilation)
13h às 19h

Serviço

Cinema: Circuito Anima Mundi em Fortaleza
Local: CAIXA Cultural Fortaleza
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287 – Praia de Iracema
Data: 27 a 29 de outubro de 2017 (abertura no dia 27 às 20h)
Sessões: 28 e 29 de outubro, às 15h, 17h e 19h

Ingressos: Entrada gratuita, com distribuição de senhas com uma hora de antecedência

Literatura

Livro de Laurentino Gomes sobre a escravidão no Brasil será lançado em 2019

O jornalista e escritor Laurentino Gomes (1808, 1822, 1889) está trabalhando naquele que vem a ser o seu maior desafio desde que iniciou sua empreitada na literatura, em especial na produção de livros de história. Gomes está, neste momento, em incursão pela África, e deve retornar ao Brasil em janeiro do ano que vem para enfim começar a escrever sobre a escravidão do Brasil, que durou mais de 300 anos.

O Brasil foi a última nação do globo a abolir a escravatura no mundo e foram séculos e séculos desse sofrimento para milhões e milhões de pessoas. Para realizar seu trabalho, o escritor empreendeu diversas viagens pelo Brasil, América do Norte e África, com o intuito de buscar histórias além-mar que contem um pouco desse período tão triste da nossa história, mas tão necessário de ser contado.

Laurentino Gomes iniciará o processo de escrita em 2018, e conforme informou ao nosso blog, lançará o livro no ano seguinte, em 2019. Diante dos fatos recentes ocorridos no Brasil, como  as mudanças na chefia da fiscalização e na definição do trabalho escravo pelo Governo de Michel Temer, é certo que muita história será contada.

Quem é Laurentino Gomes? 

Laurentino formou-se em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná, possui pós-graduação em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo e fez cursos tanto na Universidade de Cambridge como na Universidade de Vanderbilt. Tornou-se famoso como escritor graças à sua autoria do best-seller 1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil.

Em 7 de setembro de 2010, faz na Bolsa Oficial de Café em Santos o lançamento nacional da obra 1822. Ao fim de março de 2012, a Globo Livros anunciou a assinatura de contrato para o lançamento do  livro de Laurentino 1889.

Em maio de 2015, anunciou uma nova trilogia, que abordará a escravidão no Brasil. O primeiro dos três livros deverá ser lançado em 2019, e o último, em 2022. (Estamos no aguardo).

Lançamentos · Literatura

BestSeller lança autobiografia de Justin Trudeau

Em 2016, Donald Trump foi eleito presidente dos Estados Unidos com um discurso extremamente conservador em relação aos mais diversos assuntos – entre eles imigração, política externa e saúde das mulheres. Cerca de um ano antes, Justin Trudeau havia liderado o Partido Liberal do Canadá numa vitória histórica, garantindo importante maioria parlamentar e tornando-se o primeiro-ministro do país.

Embora sejam contemporâneos e governem países vizinhos, os dois são constantemente citados em posições antagônicas, já que o canadense tem chamado a atenção do mundo por sua abordagem política liberal e altamente progressista. A ideia de que uma das maiores forças do Canadá é sua diversidade é um dos pilares do seu discurso, e permeia todo o texto de “Tudo aquilo que nos une”, autobiografia de Trudeau, que a BestSeller coloca nas livrarias em outubro.

Quando Justin Trudeau nasceu, seu pai, Pierre Trudeau, era o primeiro-ministro do Canadá. Um dos mais admirados líderes políticos da história do país, Pierre foi uma influência determinante na vida de Justin. Ele começa o relato narrando as aventuras ao ar livre com o pai e os dois irmãos, os altos e baixos da infância na residência oficial, suas viagens pelo mundo ao lado de Pierre e alguns engraçados encontros infantis com nomes importantes da política na época, como o presidente americano Ronald Reagan e a Princesa Diana.

Mas, apesar de não negar sua influência, o líder canadense faz questão de apontar suas diferenças – que ficaram claras pela primeira vez, ele conta, ao ser reprovado em uma matéria na escola, onde o pai também havia estudado e sido um aluno exemplar. O jeito rígido de lidar com as pessoas e a intelectualidade um tanto conservadora não foram hereditárias: ao contrário de seu pai, Justin diz gostar de estabelecer conexões pessoais, nas ruas. E é famoso também por gostar de cultura pop – ele causou comoção na internet ao aparecer vestindo uma blusa de “O guia do mochileiro das galáxias”, por exemplo.

Justin Trudeau não foge de momentos difíceis, e fala no livro sobre a separação dos pais, que foi prato cheio para os jornais à época, quando ele ainda era criança. O político conta como a luta da mãe contra o transtorno bipolar moldou sua relação com os filhos, e destaca ainda as divergências irreconciliáveis de personalidade entre os pais, cuja diferença de idade era de 30 anos.

Outra passagem emocionante é a morte de Michel, seu irmão mais novo, aos 23 anos. Ele desapareceu após uma avalanche enquanto esquiava, e a perda foi especialmente difícil para o pai, que acabou falecendo dois anos depois.

Em ordem cronológica, o premier canadense fala ainda da adolescência, com suas divertidas “tentativas de desenvolver uma identidade social”, a “acne terrível”, e o mau jeito com as meninas; conta sobre seu período na faculdade e a “breve fase de farra”; e narra como foi afetado por uma viagem de um ano pelo mundo feita em meio à faculdade. Trudeau relata ainda suas experiências como professor em escolas e instrutor de snowboard, seu amor pelo boxe e o começo de sua família, ao conhecer a hoje esposa, Sophie.

A entrada para a política, que sempre pareceu inevitável, acabou vindo mais tarde. Relutante em seguir os passos do pai, foi só em 2006 que ele decidiu participar mais de perto: quando os liberais perderam a eleição em janeiro, Trudeau sentiu que poderia oferecer algo à renovação do partido. Começou fazendo pesquisas, elaborando relatórios e, no ano seguinte, decidiu disputar um cargo no parlamento pelo distrito de Papineau, em Montreal. Desacreditado pelo próprio partido, por comentaristas e jornalistas, investiu numa campanha de “corpo a corpo”, conhecendo os eleitores nas ruas. A estratégia deu certo e, a partir daí, sua subida foi constante.

No relato, ele faz uma autocrítica importante da atuação do Partido Liberal que, em 2011, sofreu uma grande derrota. “O principal motivo foi o Partido Liberal ter perdido o contato com os canadenses, e nós estávamos ocupados demais com brigas internas para perceber. Acabamos pagando caro pelo erro”, escreve. Em suas campanhas seguintes, para a liderança do partido e, por fim, para o cargo de primeiro-ministro, Trudeau investiu em ouvir os jovens, abraçar as minorias e usar a internet com inteligência – algo muito parecido com o que Barack Obama havia feito nos EUA anos antes.

O livro ajuda a entender por que Trudeau é personagem habitual de reportagens que destacam suas opiniões progressistas sobre a legalização do aborto e da maconha, por exemplo, ou sua decisão de abrir as portas do país para mais de 40 mil refugiados em meio à crise no Oriente Médio e na Europa. Seu gabinete, um grupo heterogêneo formado por homens e mulheres das mais distintas ascendências e etnias, também chamou atenção na época de sua posse. Ao ser perguntado por que havia escolhido um grupo tão diverso, ele respondeu apenas: “Porque estamos em 2015.”.

O livro traz ainda um encarte com dezenas de fotos, oficiais e pessoais, que ilustram desde a infância de Trudeau até sua relação com os filhos e suas campanhas políticas; além de um apêndice que reproduz cinco de seus principais discursos.

 

TUDO AQUILO QUE NOS UNE

(Common ground)

 

JUSTIN TRUDEAU

 

Páginas: 238

Preço: R$ 44,90

Tradução: Patricia Azeredo

Editora: BestSeller | Grupo Editorial Record

 

Literatura

Agenda: Lima Barreto, Kéfera e Raphael Montes em Fortaleza

Raphael Montes, revelação da literatura de suspense, estará na Cultura, no sábado

Lançamento de Lima Barreto: triste visionário
Durante esta semana, Lilia Moritz Schwarcz realiza diversos eventos de lançamento da biografia Lima Barreto: Triste visionário pelo Nordeste. Saiba mais:

Fortaleza
Quarta-feira, 11 de outubro, às 9h15
Local: Teatro Celina Queiroz da UNIFOR – Av. Washington Soares, 1321 – Fortaleza, CE

Turnê Querido dane-se no Nordeste
Kéfera Buchmann autografa seu novo livro, Querido dane-se, pelo Nordeste. Confira as datas e locais:

Fortaleza
Terça-feira, 10 de outubro, às 17h
Local: Saraiva do Shopping Iguatemi Fortaleza – Av. Washington Soares, 85 – Fortaleza, CE

Vida e Obra com Raphael Montes
Sábado, 14 de outubro, às 17h
Raphael Montes, autor de Suicidas e Jantar secreto, fala sobre sua obra no projeto Vida e Obra.
Local: Livraria Cultura do Shopping Varanda Mall – Av. Dom Luís, 1010 – Fortaleza, CE

Lançamentos · Literatura · Programação

Grupo Ceará em Letras promove I Jornada Ceará em Letras

O  Grupo Ceará em Letras promoverá na UFC, no dia 26 de outubro,  a I Jornada Ceará em Letras, organizada por Fernanda Diniz, Fernângela Diniz, Alexandre Vidal Marilde Alves e Weelington Rodrigues. Desde 2013, o grupo de pesquisadores se reúne para publicar anualmente uma obra com ensaios sobre obras de autores cearenses.

Em comemoração dos 5 anos do projeto, promoveremos a Jornada como forma de valorizar ainda mais a produção dos nossos escritores cearenses. Na ocasião serão apresentados, por meio de mesas-redondas, os ensaios que fazem parte do livro Percursos da Literatura do Ceará, que será lançado no dia 27/10, no Teatro José de Alencar às 18h30min.

O livro é organizado por Fernanda Diniz, Fernângela Diniz, Alexandre Vidal e Wellington Rodrigues.

Neste ano, o Grupo apresenta ao leitor o livro Percursos da Literatura no Ceará, uma edição comemorativa dos cinco anos do projeto. Composto por 19 artigos, no livro são estudados Adolfo Caminha, Airton Monte, Airton Monte, Arievaldo Viana, Artur Eduardo Benevides, Caio Porfírio Carneiro, Carlos Câmara, Eduardo Campos, Francisco Melchíades, Jards Nobre, José de Alencar, Juvenal Galeno, Oliveira Paiva, Rachel de Queiroz e Roberto Pontes.

Essa edição especial apresenta duas partes. Na primeira parte, são apresentados os estudos sobre obras de autores cearenses. Na segunda, publicamos alguns textos literários de pesquisadores do grupo, entre eles estão Mary Nascimento da Silva Leitão, Marilde Alves da Silva, Vanessa Paulino Venancio e Francisco Wellington Rodrigues Lima.

Desse modo, ao longo desses anos, o Grupo Ceará em Letras vem se destacando no âmbito da crítica literária com foco na obra de autores que, embora tenham obras de grande valor artístico, ainda não foram abordados suficientemente pela academia.

 

PROGRAMAÇÃO
8h às 8h30min – Credenciamento
8h30 às 9h – Abertura
9h às 10h – Conferência: Literatura no Ceará –
Prof. Dr. Roberto Pontes
10h às 10h30min – Merenda
10h30min às 12h

MESA 1 – CULTURA, POLÍTICA E
EDUCAÇÃO NA LITERATURA DO
CEARÁ
Lendas e Canções Populares, de Juvenal Galeno: a expressão poética do povo brasileiro Alexandre Vidal de Sousa / Fernanda Maria Diniz da Silva
“Tudo é sertão é mito e encantação”: o espaço sertanejo no poema “Cântico dos Cânticos”, de Artur Eduardo Benevides Fernângela Diniz da Silva
Da realidade à ficção: o crime passional de Dona Guidinha do Poço Avanúzia Ferreira Matias / Janicleide Vidal Maia
A História da Educação Brasileira em A Normalista
Gildênia Moura de Araújo Almeida A justiça encarnada em Roberto Pontes Mary Nascimento da Silva Leitão / Cássia Alves da Silva
14h às 17h20mim

MESA REDONDA 2 – HISTÓRIA, FICÇÃO
E CRIAÇÃO LITERÁRIA
Airton Monte: o homem e a obra sob o prisma da criação literária
Cintya Kelly Barroso Oliveira/ Francisca Solange Mendes da Rocha
As modulações tensivas do desejo em Curral de Pedras e Pássaros sem Canção, de Jards Nobre Marilde Alves da Silva
José de Alencar: ficcionista antes de tudo
Aline Leitão Moreira / Maria Bernardete Alves Feitosa
As menininhas de Rachel de Queiroz: representações do comportamento feminino em meio a modernização conservadora durante a ditadura militar (1964-1975) Lia Mirelly Távora Moita

MESA 3: CONTO, CRÔNICA E TEATRO
NA LITERATURA DO CEARÁ
Carlos Câmara e a alvorada do teatro nacional: tradição, modernidade, cultura, história e memória; o Ceará contado, recontado e cantado em A Bailarina e o Casamento da Peraldiana Francisco Wellington Rodrigues Lima
Sertão, um “meio” denso e quente para as
crianças: o sentimento infantil no conto O Pato de Lilico, de Caio Porfírio Carneiro Elayne Castro Correia
O anti-herói na literatura de cordel: uma análise do comportamento do protagonista nos cordéis artimanhas de João Grilo, de Arievaldo Viana, e as astúcias do filho de João Grilo, de Francisco Melchíades Stefanie Cavalcanti de Lima Silva
Crônica: do gênero literário tupiniquim à terra da luz Maria Lílian Martins de Abreu

Agradecimentos finais e sorteio de livros

Lançamentos · Música

Amelinha expõe sentimentos do CD em que canta músicas de Belchior

por Mauro Ferreira do G1

Lançado nesta primeira semana de outubro de 2017, o 17º álbum de Amelinha, De primeira grandeza – As canções de Belchior (Deck), alinha no repertório dez músicas do cancioneiro do compositor cearense Antonio Carlos Belchior (26 de outubro de 1946 – 30 de abril de 2017), artista singular que saiu de cena há pouco mais de cinco meses.

Conterrâneo de Amelinha, cantora cearense que debutou há 40 anos no mercado fonográfico com o álbum Flor da paisagem (1977), Belchior tinha pedido a cantora que regravasse a composição De primeira grandeza, lançada na voz do autor e cantor há 30 anos, no álbum Melodrama (1987). Feito em meados dos anos 1990, o pedido foi atendido postumamente por Amelinha no disco idealizado pelo produtor Thiago Marques Luiz e gravado em agosto desde ano de 2017 no estúdio Canto da Coruja, situado em Piracaia (SP), cidade do interior do estado de São Paulo.

Sob a direção musical de Estevan Sincovitz (guitarra, violões e baixo), integrante da banda que também inclui Caio Lopes (bateria), Fabá Jimenez (guitarra e violão), Ricardo Prado (teclado, baixo e sanfona), Amelinha deu voz às canções A palo seco (1973), Alucinação (1976), Comentário a respeito de John (1979), Incêndio (Belchior e Petrúcio Maia, 1980), Mucuripe (1972), Na hora do almoço (1971), Paralelas (1975), Passeio (1974), Princesa do meu lugar (1980) – música que batizou álbum da cantora Guadalupe e que nunca foi gravada por Belchior – e, claro, De primeira grandeza (1987).

“Na década de 1990, por volta de 1996, encontrei com Bel nos bastidores de uma emissora de TV em São Paulo e ele me disse que tinha feito uma música chamada De primeira grandeza e que gostaria muito de ouvi-la na minha voz. Foi uma surpresa deliciosa, mas como estava num momento um tanto tumultuado na minha vida pessoal e profissional, guardei a música para fazer parte de um disco de carreira que tivesse uma representatividade mais ampla.

Depois, em 2000, gravei com ele e Ednardo o CD Pessoal do Ceará, produzido pelo Robertinho do Recife e lá também não coube De primeira grandeza, pois era um disco autoral com músicas já conhecidas.

Em 2012 fui convidada por Thiago Marques Luiz para gravar o CD Janelas do Brasil. Incluímos Galos, noites e quintais, canção emblemática do Bel (ele me chamava de Mel), que fizemos questão de inserir também no meu primeiro DVD, gravado em seguida com os meus sucessos e com convidados especiais que fizeram parte determinante e fundamental da minha trajetória: Fagner, Toquinho e um novo parceiro, Zeca Baleiro.

De primeira grandeza permaneceu na lista do que eu chamo de “meu balde de canções” para a continuação de Janelas do Brasil, assunto que eu já vinha falando com Thiago há um ano.

Em janeiro de 2017, no aniversário de São Paulo, cantei Passeio, música do primeiro disco do Bel, de período em que nossa convivência era bem intensa e no qual eu pude assistir de perto ao nascimento de canções como Mucuripe, A palo seco, Na hora do almoço, Paralelas e tantas outras.

Continuei dizendo nos shows: ‘Volta, Bel!’, mas nunca imaginei que fosse acontecer desta forma. No primeiro momento, fiquei sete dias muda, quieta, chocada e com um vazio enorme no meu peito. Mesmo assim, recebi o convite de Thiago com um sentimento não identificável, mas simplesmente disse ‘sim!’. E pensei: ‘Como vou conseguir?’, e isso ficou em mim até chegar o momento da gravação.

Fui conduzida por Deus, eu creio, através do produtor a um lugar belíssimo para gravarmos esse álbum, no interior de São Paulo com um clima puro e frio que transmitiu paz e esperança. Água de mina, cachoeira, comida orgânica. Tudo de uma pureza vital e restauradora. Acordávamos cedo, café às dez, gravação a partir das 14h até as 19h. Em quatro dias gravamos este disco, neste ritmo, basicamente ao vivo.

Foi um intensivão, penso que necessário para que eu, rodeada de tantas pessoas de almas bonitas, de crianças e de animais como ganso, galinha d’angola, cavalos, cachorros lindos, vacas, gatinhos, além de uma tremenda cachoeira sonora e transbordante ao largo, enfim. Aquilo tudo me ajudou poderosamente a realizar minha tarefa.

Respirei fundo e me entreguei de voz e alma. Eis-me aqui novamente com mais um álbum no qual, além da composição De primeira grandeza, veio uma cascata de outras músicas do saudoso amigo, a compor esta nova e delicada sinfonia.

Sinto-me agradecida, revigorada, muito mais forte. E tudo isso tem uma intrínseca relação com as conversas que desde os anos 1970, e ao longo do tempo, vinha desenvolvendo com o Bel, nesta nossa relação tão próxima que sempre foi, mesmo estando longe. Agradeço a todos que participaram deste momento de carinho, a toda equipe do disco De primeira grandeza, que foi maravilhosa e dedicada. E a Deck por abraçar o nosso projeto.

Espero que gostem de voar conosco nesse ‘Disco Voador, meu amor! Meu Amor! Meu Amor! É pra você’.

‘Quando estou sob as luzes, não tenho medo de nada e a face oculta da lua que era minha aparece iluminada’ “. Amelinha

(Créditos das imagens: Amelinha em foto de Murilo Alvesso. Capa do álbum De primeira grandeza – As canções de Belchior)