Programação · Teatro

Espetáculo teatral Salina – A Última Vértebra, em temporada de 16 a 19/11 em Fortaleza

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 16 a 19 de novembro de 2017, o espetáculo teatral Salina – A Última Vértebra, com sessões de quinta a sábado, às 19h, e no domingo, às 17h. Com direção de Ana Teixeira e Stephane Brodt e texto do autor francês Laurent Gaudé, a montagem propõe um mergulho numa África ancestral, por meio de uma história atemporal e universal sobre exílio, ódio e perdão.

Salina conta a saga da personagem que dá nome ao espetáculo. Casada à força e violada por seu marido, ela dá à luz Mumuyê Djimba, um filho que ela detesta tanto quanto o pai. Acusada de deixar o esposo morrer agonizante num campo de batalha, Salina é banida de sua cidade.

Exilada no deserto, ela alimenta seu desejo de vingança. Da sua ira, nasce Kwane, que trava uma guerra com seu irmão, Djimba, até que uma reviravolta surpreendente acontece no destino de Salina. Inédita no Brasil, a obra é composta por elementos da tragédia grega e da epopeia africana, onde encontramos o épico, as paixões, o combate e a parte sombria do indivíduo.

Anúncios
Literatura

AL comemora Dia da Literatura Cearense com homenagens

A Assembleia Legislativa realiza, nesta quinta-feira (16/11), às 18h, no Plenário 13 de Maio, sessão solene para comemorar o Dia da Literatura Cearense, celebrado em 17 de novembro. Durante o evento, serão homenageadas personalidades que se destacaram nas letras de nosso Estado.

Segundo o deputado Heitor Férrer (PSB), requerente da solenidade, com subscrição da deputada Augusta Brito (PCdoB), o Dia da Literatura Cearense é uma homenagem à data de nascimento da escritora Rachel de Queiroz, 17 de novembro de 1910.

Ao todo, serão homenageadas 20 personalidades cearenses, entre elas o ex-governador Gonzaga Mota; o ex-ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Ubiratan Aguiar; a desembargadora aposentada Gizela Nunes da Costa; o poeta Geraldo Amâncio e o escritor Eduardo Pragmácio Filho. Haverá homenagem também ao Projeto Biblioterapia, da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (Assalce).

do portal da AL/CE

Literatura · Programação

AL celebra 2ª Semana do Livro e da Biblioteca em outubro

A Assembleia Legislativa promove, de 24 a 26 de outubro, a 2ª edição da Semana do Livro e da Biblioteca, que será sediada no Salão de Estudos da Biblioteca César Cals de Oliveira, situada no prédio José Euclides Ferreira Gomes (anexo II da Casa).
Aberto ao público, o evento, que ocorre em alusão à Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, vai contar com rodas de discussão, biblioterapias e apresentações de projetos, entre outros momentos voltados para o universo literário.

De acordo com a chefe de seção da Biblioteca, Daniele Sousa, a Semana tem como objetivo incentivar a leitura, difundir o livro e divulgar o papel da biblioteca como instrumento facilitador do acesso à informação.

O equipamento da AL, conforme observa a servidora, “guarda a memória do parlamento cearense e o seu rico acervo histórico merece e precisa ser divulgado e visitado por todos os cidadãos”.

Ainda segundo Daniele Sousa, a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca é um evento comemorativo instituído pelo Decreto nº 84.631, de 1980. “A data original para as comemorações em todas as bibliotecas do País é de 23 a 29 de outubro, e nós, da Biblioteca César Cals de Oliveira, temos a satisfação de oferecer aos servidores da Casa e à comunidade algumas atividades literárias para festejarmos a data”, explica.

Durante os três dias do evento, a programação será das mais movimentadas. Na terça-feira (24/10), a partir das 15h, acontece a inauguração da Estante Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (Assalce): Projeto Ler Cuidando do Ser com Biblioterapia. Às 16h, será a vez de uma roda de biblioterapia com a participação da mediadora Jacqueline Assunção e da jornalista Rosanni Guerra.

Na quarta (25/10), a partir das 15h30, ocorre uma discussão literária com o professor Fernando Soares abordando o tema “Felicidade como Fim das Ações Humanas” e tendo como objeto a obra “Ética a Nicômaco”, de Aristóteles.

Já a quinta-feira (26/10) será preenchida com uma apresentação do projeto Clube de Leitura, idealizado pelo professor e servidor da AL Rômulo Nântua. Ele vai abordar e discutir com a plateia o romance “Como Água para Chocolate”, de Laura Esquivel.

Serviço

2ª Semana do Livro e da Biblioteca

Data: de 24 a 26 de outubro de 2017

Local: Edifício José Euclides Ferreira Gomes, anexo II da Assembleia Legislativa (4º andar)

Mais informações: 3277 2696/3277 2692

da portal AL 

Literatura

Itinerância Anima Mundo chega a Fortaleza

 

A Caixa Cultural Fortaleza apresenta, entre os dias 27 e 29 de outubro de 2017, o Circuito Itinerante Anima Mundi. Os apaixonados por filmes de animação terão a chance de participar da programação especial de um dos mais importantes festivais do mundo, que conta com exibição de curtas e uma oficina gratuita de animação para crianças e adultos na técnica Pixilation.

A versão itinerante da mostra que aportará em Fortaleza conta com uma seleção de curtas nacionais e internacionais de autores consagrados, em diversas técnicas de animação. É um amplo recorte do que foi apresentado na versão integral do Anima Mundi nos últimos anos.

Com acesso gratuito, as exibições dos curtas serão distribuídas em 7 sessões. A abertura será na sexta-feira (27/10), às 20h, com a exibição de alguns dos curtas que serão projetados nos dois dias seguintes. No sábado (28) e domingo (29) acontecem sessões às 15h, 17h e 19h, com duração em torno de uma hora cada. O público poderá conferir um panorama do que vem sendo produzido no mundo e no Brasil em termos de animação.

Oficina de Pixilation:

Além dos filmes, esta edição do festival Anima Mundi conta com oficina gratuita de animação na técnica Pixilation. Com esta técnica, os participantes criam uma história, se fantasiam e fazem poses sucessivas, fotografadas uma a uma. A idade mínima para a participação é de 6 anos. A atividade acontecerá nos dias 28 e 29, das 13h às 19h, com grupos de até cinco pessoas a cada 15 minutos. A inscrição é feita na hora, por ordem de chegada.

Programação

27/10
20h – Abertura

28/10
15h – Sessão: RETROSPECTIVA NATIONAL FILM BOARD INFANTIL
17h – Sessão: RETROSPECTIVA NATIONAL FILM BOARD (*14 ANOS)
19h – Sessão: ANIMA MUNDI 25 ANOS (*14 ANOS)

29/10
15h – Sessão: INFANTIL 2
17h – Sessão: INFANTIL 1
19h – Sessão: PREMIADOS ANIMA MUNDI 2017 (*14 ANOS)

28 e 29/10 – Oficina de animação (Pixilation)
13h às 19h

Serviço

Cinema: Circuito Anima Mundi em Fortaleza
Local: CAIXA Cultural Fortaleza
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287 – Praia de Iracema
Data: 27 a 29 de outubro de 2017 (abertura no dia 27 às 20h)
Sessões: 28 e 29 de outubro, às 15h, 17h e 19h

Ingressos: Entrada gratuita, com distribuição de senhas com uma hora de antecedência

Literatura

Agenda: Lima Barreto, Kéfera e Raphael Montes em Fortaleza

Raphael Montes, revelação da literatura de suspense, estará na Cultura, no sábado

Lançamento de Lima Barreto: triste visionário
Durante esta semana, Lilia Moritz Schwarcz realiza diversos eventos de lançamento da biografia Lima Barreto: Triste visionário pelo Nordeste. Saiba mais:

Fortaleza
Quarta-feira, 11 de outubro, às 9h15
Local: Teatro Celina Queiroz da UNIFOR – Av. Washington Soares, 1321 – Fortaleza, CE

Turnê Querido dane-se no Nordeste
Kéfera Buchmann autografa seu novo livro, Querido dane-se, pelo Nordeste. Confira as datas e locais:

Fortaleza
Terça-feira, 10 de outubro, às 17h
Local: Saraiva do Shopping Iguatemi Fortaleza – Av. Washington Soares, 85 – Fortaleza, CE

Vida e Obra com Raphael Montes
Sábado, 14 de outubro, às 17h
Raphael Montes, autor de Suicidas e Jantar secreto, fala sobre sua obra no projeto Vida e Obra.
Local: Livraria Cultura do Shopping Varanda Mall – Av. Dom Luís, 1010 – Fortaleza, CE

Lançamentos · Literatura · Programação

Grupo Ceará em Letras promove I Jornada Ceará em Letras

O  Grupo Ceará em Letras promoverá na UFC, no dia 26 de outubro,  a I Jornada Ceará em Letras, organizada por Fernanda Diniz, Fernângela Diniz, Alexandre Vidal Marilde Alves e Weelington Rodrigues. Desde 2013, o grupo de pesquisadores se reúne para publicar anualmente uma obra com ensaios sobre obras de autores cearenses.

Em comemoração dos 5 anos do projeto, promoveremos a Jornada como forma de valorizar ainda mais a produção dos nossos escritores cearenses. Na ocasião serão apresentados, por meio de mesas-redondas, os ensaios que fazem parte do livro Percursos da Literatura do Ceará, que será lançado no dia 27/10, no Teatro José de Alencar às 18h30min.

O livro é organizado por Fernanda Diniz, Fernângela Diniz, Alexandre Vidal e Wellington Rodrigues.

Neste ano, o Grupo apresenta ao leitor o livro Percursos da Literatura no Ceará, uma edição comemorativa dos cinco anos do projeto. Composto por 19 artigos, no livro são estudados Adolfo Caminha, Airton Monte, Airton Monte, Arievaldo Viana, Artur Eduardo Benevides, Caio Porfírio Carneiro, Carlos Câmara, Eduardo Campos, Francisco Melchíades, Jards Nobre, José de Alencar, Juvenal Galeno, Oliveira Paiva, Rachel de Queiroz e Roberto Pontes.

Essa edição especial apresenta duas partes. Na primeira parte, são apresentados os estudos sobre obras de autores cearenses. Na segunda, publicamos alguns textos literários de pesquisadores do grupo, entre eles estão Mary Nascimento da Silva Leitão, Marilde Alves da Silva, Vanessa Paulino Venancio e Francisco Wellington Rodrigues Lima.

Desse modo, ao longo desses anos, o Grupo Ceará em Letras vem se destacando no âmbito da crítica literária com foco na obra de autores que, embora tenham obras de grande valor artístico, ainda não foram abordados suficientemente pela academia.

 

PROGRAMAÇÃO
8h às 8h30min – Credenciamento
8h30 às 9h – Abertura
9h às 10h – Conferência: Literatura no Ceará –
Prof. Dr. Roberto Pontes
10h às 10h30min – Merenda
10h30min às 12h

MESA 1 – CULTURA, POLÍTICA E
EDUCAÇÃO NA LITERATURA DO
CEARÁ
Lendas e Canções Populares, de Juvenal Galeno: a expressão poética do povo brasileiro Alexandre Vidal de Sousa / Fernanda Maria Diniz da Silva
“Tudo é sertão é mito e encantação”: o espaço sertanejo no poema “Cântico dos Cânticos”, de Artur Eduardo Benevides Fernângela Diniz da Silva
Da realidade à ficção: o crime passional de Dona Guidinha do Poço Avanúzia Ferreira Matias / Janicleide Vidal Maia
A História da Educação Brasileira em A Normalista
Gildênia Moura de Araújo Almeida A justiça encarnada em Roberto Pontes Mary Nascimento da Silva Leitão / Cássia Alves da Silva
14h às 17h20mim

MESA REDONDA 2 – HISTÓRIA, FICÇÃO
E CRIAÇÃO LITERÁRIA
Airton Monte: o homem e a obra sob o prisma da criação literária
Cintya Kelly Barroso Oliveira/ Francisca Solange Mendes da Rocha
As modulações tensivas do desejo em Curral de Pedras e Pássaros sem Canção, de Jards Nobre Marilde Alves da Silva
José de Alencar: ficcionista antes de tudo
Aline Leitão Moreira / Maria Bernardete Alves Feitosa
As menininhas de Rachel de Queiroz: representações do comportamento feminino em meio a modernização conservadora durante a ditadura militar (1964-1975) Lia Mirelly Távora Moita

MESA 3: CONTO, CRÔNICA E TEATRO
NA LITERATURA DO CEARÁ
Carlos Câmara e a alvorada do teatro nacional: tradição, modernidade, cultura, história e memória; o Ceará contado, recontado e cantado em A Bailarina e o Casamento da Peraldiana Francisco Wellington Rodrigues Lima
Sertão, um “meio” denso e quente para as
crianças: o sentimento infantil no conto O Pato de Lilico, de Caio Porfírio Carneiro Elayne Castro Correia
O anti-herói na literatura de cordel: uma análise do comportamento do protagonista nos cordéis artimanhas de João Grilo, de Arievaldo Viana, e as astúcias do filho de João Grilo, de Francisco Melchíades Stefanie Cavalcanti de Lima Silva
Crônica: do gênero literário tupiniquim à terra da luz Maria Lílian Martins de Abreu

Agradecimentos finais e sorteio de livros

Lançamentos · Música

Amelinha expõe sentimentos do CD em que canta músicas de Belchior

por Mauro Ferreira do G1

Lançado nesta primeira semana de outubro de 2017, o 17º álbum de Amelinha, De primeira grandeza – As canções de Belchior (Deck), alinha no repertório dez músicas do cancioneiro do compositor cearense Antonio Carlos Belchior (26 de outubro de 1946 – 30 de abril de 2017), artista singular que saiu de cena há pouco mais de cinco meses.

Conterrâneo de Amelinha, cantora cearense que debutou há 40 anos no mercado fonográfico com o álbum Flor da paisagem (1977), Belchior tinha pedido a cantora que regravasse a composição De primeira grandeza, lançada na voz do autor e cantor há 30 anos, no álbum Melodrama (1987). Feito em meados dos anos 1990, o pedido foi atendido postumamente por Amelinha no disco idealizado pelo produtor Thiago Marques Luiz e gravado em agosto desde ano de 2017 no estúdio Canto da Coruja, situado em Piracaia (SP), cidade do interior do estado de São Paulo.

Sob a direção musical de Estevan Sincovitz (guitarra, violões e baixo), integrante da banda que também inclui Caio Lopes (bateria), Fabá Jimenez (guitarra e violão), Ricardo Prado (teclado, baixo e sanfona), Amelinha deu voz às canções A palo seco (1973), Alucinação (1976), Comentário a respeito de John (1979), Incêndio (Belchior e Petrúcio Maia, 1980), Mucuripe (1972), Na hora do almoço (1971), Paralelas (1975), Passeio (1974), Princesa do meu lugar (1980) – música que batizou álbum da cantora Guadalupe e que nunca foi gravada por Belchior – e, claro, De primeira grandeza (1987).

“Na década de 1990, por volta de 1996, encontrei com Bel nos bastidores de uma emissora de TV em São Paulo e ele me disse que tinha feito uma música chamada De primeira grandeza e que gostaria muito de ouvi-la na minha voz. Foi uma surpresa deliciosa, mas como estava num momento um tanto tumultuado na minha vida pessoal e profissional, guardei a música para fazer parte de um disco de carreira que tivesse uma representatividade mais ampla.

Depois, em 2000, gravei com ele e Ednardo o CD Pessoal do Ceará, produzido pelo Robertinho do Recife e lá também não coube De primeira grandeza, pois era um disco autoral com músicas já conhecidas.

Em 2012 fui convidada por Thiago Marques Luiz para gravar o CD Janelas do Brasil. Incluímos Galos, noites e quintais, canção emblemática do Bel (ele me chamava de Mel), que fizemos questão de inserir também no meu primeiro DVD, gravado em seguida com os meus sucessos e com convidados especiais que fizeram parte determinante e fundamental da minha trajetória: Fagner, Toquinho e um novo parceiro, Zeca Baleiro.

De primeira grandeza permaneceu na lista do que eu chamo de “meu balde de canções” para a continuação de Janelas do Brasil, assunto que eu já vinha falando com Thiago há um ano.

Em janeiro de 2017, no aniversário de São Paulo, cantei Passeio, música do primeiro disco do Bel, de período em que nossa convivência era bem intensa e no qual eu pude assistir de perto ao nascimento de canções como Mucuripe, A palo seco, Na hora do almoço, Paralelas e tantas outras.

Continuei dizendo nos shows: ‘Volta, Bel!’, mas nunca imaginei que fosse acontecer desta forma. No primeiro momento, fiquei sete dias muda, quieta, chocada e com um vazio enorme no meu peito. Mesmo assim, recebi o convite de Thiago com um sentimento não identificável, mas simplesmente disse ‘sim!’. E pensei: ‘Como vou conseguir?’, e isso ficou em mim até chegar o momento da gravação.

Fui conduzida por Deus, eu creio, através do produtor a um lugar belíssimo para gravarmos esse álbum, no interior de São Paulo com um clima puro e frio que transmitiu paz e esperança. Água de mina, cachoeira, comida orgânica. Tudo de uma pureza vital e restauradora. Acordávamos cedo, café às dez, gravação a partir das 14h até as 19h. Em quatro dias gravamos este disco, neste ritmo, basicamente ao vivo.

Foi um intensivão, penso que necessário para que eu, rodeada de tantas pessoas de almas bonitas, de crianças e de animais como ganso, galinha d’angola, cavalos, cachorros lindos, vacas, gatinhos, além de uma tremenda cachoeira sonora e transbordante ao largo, enfim. Aquilo tudo me ajudou poderosamente a realizar minha tarefa.

Respirei fundo e me entreguei de voz e alma. Eis-me aqui novamente com mais um álbum no qual, além da composição De primeira grandeza, veio uma cascata de outras músicas do saudoso amigo, a compor esta nova e delicada sinfonia.

Sinto-me agradecida, revigorada, muito mais forte. E tudo isso tem uma intrínseca relação com as conversas que desde os anos 1970, e ao longo do tempo, vinha desenvolvendo com o Bel, nesta nossa relação tão próxima que sempre foi, mesmo estando longe. Agradeço a todos que participaram deste momento de carinho, a toda equipe do disco De primeira grandeza, que foi maravilhosa e dedicada. E a Deck por abraçar o nosso projeto.

Espero que gostem de voar conosco nesse ‘Disco Voador, meu amor! Meu Amor! Meu Amor! É pra você’.

‘Quando estou sob as luzes, não tenho medo de nada e a face oculta da lua que era minha aparece iluminada’ “. Amelinha

(Créditos das imagens: Amelinha em foto de Murilo Alvesso. Capa do álbum De primeira grandeza – As canções de Belchior)